Mayo Clinic News Network

News Resources


Share this:

Posted by Nancy Skaran (@skaran) · Tue, Apr 22 at 9:42am EDT

Neurologistas da Mayo Clinic lideram estudo internacional para testar melhor método para prevenir AVC

A verba de US$ 39,5 milhões para financiar o estudo do AVC é uma das maiores já concedidas a pesquisadores da Mayo Clinic na Flórida.

JACKSONVILLE, Flórida — Medicamentos são tão seguros e eficazes quanto a cirurgia ou implante de stent para prevenir um acidente vascular cerebral (AVC), causado pelo acúmulo de placas nas artérias carótidas? Isso é o que o neurologista da Clínica Mayo na Jacksonville, Flórida, Thomas G. Brott quer descobrir.

“Essa é uma pergunta fundamental”, diz Thomas Brott. “A qualidade dos medicamentos que temos hoje indicam que não é mais necessário realizar procedimentos invasivos em pacientes que não apresentam sinais de advertência de AVC. Mais de 100.000 cirurgias das carótidas e de implante de stents nas artérias carótidas são realizadas todos os anos nos Estados Unidos, em pacientes em risco — e isso pode não ser necessário”, ele afirma.

Para buscar uma resposta, o Instituto Nacional de Distúrbios Neurológicos e Acidente Vascular Cerebral (NINDS — National Institute of Neurological Disorders and Stroke) concedeu a Thomas Brott e seu colega James Meschia uma verba de US$ 39,5 milhões — uma das maiores já concedidas a pesquisadores da Clínica Mayo na Flórida. A verba vai financiar um estudo clínico de sete anos, que terá a participação de 2.480 pacientes em 120 instituições de saúde nos Estados Unidos, Canadá, Europa e Austrália. O estudo, que recebeu o nome de CREST-2, deve começar a inscrever pacientes no verão. A administração dos dados dos pacientes e as análises estatísticas serão feitas na Universidade do Alabama, em Birmingham, sob a direção de George Howard.

O neurologista Thomas Brott diz que é hora de reexaminar o controle médico dos riscos de AVC das artérias carótidas. Os últimos estudos da eficácia dos medicamentos na redução dos riscos de AVC nas carótidas foram iniciados nos anos 90, quando os pesquisadores compararam a eficácia de medicamentos com a da cirurgia também conhecida como endarterectomia da carótida (CEA — carotid endarterectomy). Nessa época, o implante de stent na artéria carótida (CAS — carotid artery stenting) ainda não havia sido desenvolvido e medicamentos como as estatinas, para baixar o nível de colesterol, estavam apenas chegando ao mercado.

“Pensamos, realmente, que precisamos descobrir qual é a melhor maneira de controlar o risco de AVC em nossos pacientes”, diz Thomas Brott. “Os dados que temos sobre controle médico já têm uma década, enquanto os medicamentos que estamos usando hoje são muito mais sofisticados”, ele explica.

O CREST-2 está sendo desenvolvido com base na infraestrutura criada para o estudo clínico da Endarterectomia de Revascularização da Carótida versus Implante de Stent (CREST – Carotid Revascularization Endarterectomy versus Stenting), que também foi liderado por Thomas Brott. As descobertas, anunciadas em maio de 2010, revelaram que a CEA e o CAS ofereciam resultados similares em termos de segurança e eficácia, em geral, se os pacientes tivessem ou não sintomas de doença das carótidas. Havia diferenças, no entanto, nas semanas que se seguiam aos procedimentos, observadas nos pacientes: os que se submeteram a implante de stent sofreram mais AVCs, enquanto os que se submeteram à cirurgia tiveram mais ataques cardíacos. A idade também faz diferença: as pessoas com menos de 70 anos se saíram melhor com stents, enquanto as com mais de 70 obtiveram melhor resultado com a cirurgia.

O CREST-2 vai consistir de dois estudos paralelos, mas separados, conduzidos em pacientes com estenose de carótida assintomática, com pelo menos 70% — ou mais — de obstrução em uma de suas artérias carótidas, mas que ainda não sofreram um AVC e não tiveram sinais de advertência de AVC.

Uma parte do CREST-2 vai comparar a combinação da CEA e controle médico com controle médico apenas. Outra parte vai estudar a combinação do CAS e controle médico com o controle médico apenas. Portanto, todos os pacientes participantes do estudo serão tratados com controle médico, que pode incluir medicamentos antiplaquetários para impedir coagulação — estatinas, entre outros agentes — e, quando apropriado, medicamentos para a controlar a hipertensão e o diabetes.

“Vamos nos assegurar, em todas as 120 instituições no CREST-2, que os pacientes recebam o controle médico da mais alta qualidade possível, junto com as melhores práticas em cirurgia e implante de stent”, diz Thomas Brott. “O CREST-2 deve nos oferecer a resposta definitiva sobre o que funcionar melhor e que pacientes devem ser tratados da doença da carótida”, afirma.

O estudo é financiado pela verba da NINDS 1U01NS080168-01A1.

Para mais informações sobre tratamento de AVC e doenças cardíacas na Clínica Mayo de Jacksonville, Flórida, contate o departamento de Serviços Internacionais pelo telefone 1-904-953-7000 ou envie email para intl.mcj@mayo.edu. Para mais informações em português, visite mayoclinic.org/portuguese/.

Veja um vídeo de Thomas Brott discutindo o estudo CREST no Canal da Clínica Mayo no YouTube.

###

Informações sobre a Mayo Clinic
A Clínica Mayo comemora, em 2014, 150 anos de serviço à humanidade, como uma instituição sem fins lucrativos e líder mundial em tratamento médico, pesquisa e educação. Para mais informações, visite newsnetwork.mayoclinic.org/blogtag/portuguese-news-release/.

CONTACTO: Guta Bacelar, gbacelar@bellsouth.net

carotid arteries carotid artery stenting carotid endarterectomy CAS CEA clinical trials CREST Trial CREST-2 Dr James Meschia Dr Thomas Brott Mayo Clinic Mayo Clinic In Florida Medical Research NINDS Portuguese news release research funding stroke surgery versus stenting Portuguese

 

Have something to say? Please login or register to respond.