• By Sharon Theimer

Casos crescentes de varíola dos macacos são investigados

25 maio 2022

ROCHESTER, Minnesota — Cientistas de todo o mundo estão investigando vários grupos de casos de varíola dos macacos relatados em 12 países (incluindo um caso confirmado e um suspeito nos EUA) . Trata-se de uma doença zoonótica viral, o que significa que é um vírus transmitido de animais para os seres humanos, mas que também pode ser transmitido de pessoa para pessoa.

imagem de uma criança com lesões da varíola dos macacos
Cortesia do arquivo do CDC

“A varíola dos macacos faz parte da mesma família de vírus que a varíola, mas não deve ser confundida com essa doença em níveis de alarme”, diz o Dr. Gregory Poland, chefe do Grupo de Pesquisa em Vacinas da Mayo Clinic. “Com a varíola, 10 a 30 por cento das pessoas podem morrer. Para esta cepa de varíola dos macacos em circulação no momento, a taxa de mortalidade na África é de 1 por cento ou menos.”

O vírus causa sintomas muito semelhantes ou idênticos aos da varíola, mas com uma exceção, diz o Dr. Poland. “Com a varíola dos macacos, ocorre inchaço dos nódulos linfáticos, e isso não acontece com a varíola.”

A varíola dos macacos foi descoberta pela primeira vez em uma colônia de macacos em 1958. O primeiro caso do vírus em humanos foi registrado no Congo em 1970 e, desde então, tem sido relatado principalmente em países africanos.

“Nunca houve um surto desse tamanho fora da África. Agora temos cerca de 120 casos conhecidos ou suspeitos em 12 países diferentes. Isso não tem precedentes”, diz o Dr. Poland.

O Dr. Poland acredita que as pessoas podem ser protegidas com a vacina contra a varíola. “No entanto, no verão de 2019, uma vacina específica contra a varíola dos macacos foi aprovada nos EUA. São necessárias duas doses, com quatro semanas de intervalo, portanto, as pessoas precisam ser imunizadas antes da exposição.”

Para as pessoas normais, a preocupação deve ser quase zero, diz o Dr. Poland. Ele diz que para organizações de saúde pública e cientistas, há preocupação em nível global. “Você não gostaria de ver esse vírus, por exemplo, sofrer mutações e se tornar altamente transmissível. A taxa de mortalidade desse vírus é semelhante à taxa de mortalidade da COVID-19 quando a doença surgiu pela primeira vez. A COVID-19 é uma ameaça muito maior.”

A transmissão da varíola dos macacos inclui duas formas: de pessoa para pessoa (por contato próximo com lesões, fluidos corporais, gotículas respiratórias) e por meio de materiais contaminados (como roupas de cama).

O Dr. Poland diz que, como o vírus é historicamente transmitido por gotículas respiratórias, as máscaras cirúrgicas podem ser muito úteis na proteção.

Há outra hipótese do motivo pelo qual esse vírus está circulando nesse ritmo, diz o Dr. Poland.

“Esta é a primeira vez na história moderna em que temos tantas pessoas que nunca foram expostas a um vírus da doença e que nunca foram vacinadas contra a varíola”, diz o Dr. Poland. “Talvez, a aprendizagem resultante disso é que o público precisará receber ainda mais instrução científica e microbiológica para entender que com as mudanças climáticas, com a rapidez das viagens internacionais e ao não seguir as recomendações básicas de saúde, veremos um tipo de surto após o outro.”

À medida que os cientistas continuam a monitorar e rastrear o vírus da varíola, especialistas em saúde, incluindo o Dr. Poland, se associarão à Organização Mundial da Saúde para discutir a situação emergente. 

###

Jornalistas: trechos de vídeo com qualidade para transmissão podem ser encontrados na seção de downloads da publicação em inglês. Lembrem-se de incluir: Cortesia da “Rede de Notícias da Mayo Clinic”.

Sobre a Mayo Clinic
A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter outras notícias da Mayo Clinic.

Contato de mídia:
Bob Nellis, Relações Institucionais da Mayo Clinic, newsbureau@mayo.edu