• By Sharon Theimer

Trabalhando para melhorar a saúde de crianças em todo o mundo: o Dr. Philip Fischer se dedica a uma doença que se pensava estar relegada somente aos livros de história

30 julho 2021
jovem morena de vestido branco

ROCHESTER, Minnesota -- Philip Fischer, M.D., diz que sempre teve interesse em melhorar a saúde de crianças em todo o mundo. Para isso, formou-se em medicina e higiene tropical pela Liverpool School of Tropical Medicine, na Inglaterra. Ele também trabalhou em um centro médico no que hoje é a República Democrática do Congo de 1985 a 1991.

Ele estudou as deficiências de cálcio e vitamina D com raquitismo na Nigéria, e sua pesquisa levou a reduções significativas nas doenças ósseas incapacitantes na Nigéria, em Bangladesh e em outros países. Outra pesquisa levou à conscientização da malária congênita como um problema clínico significativo na África, à prevenção e tratamento da doença em gestantes e à melhoria da saúde infantil.

Nas últimas duas décadas, enquanto trabalhava no Departamento de Pediatria e Medicina do Adolescente da Mayo Clinic em Rochester, o Dr. Fischer também dedicou sua atenção a uma doença que se pensava estar relegada somente aos livros de história: o beribéri, uma doença causada pela deficiência de vitamina B1 ou tiamina.

Diagnosticando o problema

O beribéri pode afetar os sistemas metabólico, neurológico, cardiovascular, respiratório, gastrointestinal e musculoesquelético. A doença foi na sua maior parte erradicada nos países desenvolvidos há mais de 70 anos por meio da diversificação da dieta e do enriquecimento de alimentos.

Há cerca de 20 anos, o Dr. Fischer tomou conhecimento de crianças no Camboja morrendo do que parecia ser beribéri quando uma enfermeira que vivia naquele país compartilhou informações ao se encontrarem em conferências. Ela havia observado que cerca de 6 por cento dos bebês no Camboja morriam antes do primeiro aniversário, e metade dessas mortes parecia ser devido ao beribéri.

“Ela estava convencida de que esses bebês tinham beribéri e os viu se recuperarem rapidamente quando aplicou neles injeções de tiamina (vitamina B1)”, disse o Dr. Fischer. “Eu tinha vagas lembranças de ter aprendido que a deficiência de tiamina causa o beribéri, mas eu (bem como a maioria dos pediatras treinados nos EUA) presumi que esse era um problema visto nos livros de história, não em bebês neste século.”

Dr. Fischer e seu colega Mark Topazian, M.D., da Divisão de Gastroenterologia e Hepatologia da Mayo Clinic em Rochester, visitaram o Camboja para ver o fenômeno pessoalmente.

Enquanto estavam lá, eles desenvolveram um estudo que determinou que crianças que pareciam ter o beribéri realmente tinham um nível baixo de tiamina no sangue. O estudo também revelou que bebês aparentemente saudáveis na província também tinham baixos níveis de tiamina.

Todos os bebês tinham deficiência de tiamina. A equipe descobriu que cerca de dois terços dos bebês hospitalizados por dificuldades respiratórias em outra parte do país tinham deficiência de tiamina. Mas era impossível diagnosticar o beribéri sem um exame de sangue, que não estava disponível no Sudeste Asiático no início dos anos 2000.

“Nós determinamos que a deficiência de tiamina era comum em partes do Camboja e que estava matando bebês, mas não sabíamos quais dos bebês doentes melhorariam com a tiamina”, disse o Dr. Fischer. “No entanto, aprendemos que dar suplementos de tiamina por via oral às mães que amamentavam ajudava seus bebês a obter mais tiamina. Mas não havia bons sistemas para suplementar mães em risco ou enriquecer dietas com tiamina. Não sabíamos como prevenir o beribéri na população.”

De acordo com o Dr. Fischer, em países em desenvolvimento, a deficiência de tiamina é comum em bebês de mães que amamentam e têm deficiência de tiamina, em grande parte, porque um alimento básico da dieta dessas mães é o arroz branco. A tiamina na casca do arroz é removida durante o processamento.

Continuando a fazer progresso

“Foi uma jornada de 20 anos, mas estamos progredindo”, diz o Dr. Fischer. “A comunidade científica agora está ciente de que o beribéri é um problema em outros países, e há uma nova consciência de que o beribéri também acontece na América do Norte. Nos próximos dois anos, devemos ter melhores métodos de diagnóstico e estratégias eficazes de enriquecimento de alimentos.”

Nesse meio tempo, inspirado pelo desejo de ajudar crianças em todo o mundo, o Dr. Fischer se mudou para o Sheikh Shakhbout Medical City, uma joint venture da Mayo Clinic e do Abu Dhabi Health Services nos Emirados Árabes Unidos. Ele atuará como pediatra por pelo menos três anos e se esforçará para transmitir o Modelo de Cuidados da Mayo aos novos colegas em Abu Dhabi.

###

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter mais informações sobre a Mayo Clinic. Para obter informações sobre a COVID-19, incluindo a ferramenta de rastreamento Mapa do Coronavírus (Coronavirus Map) da Mayo Clinic, que tem previsão de 14 dias sobre as tendências da COVID-19, visite o Centro de Recursos para COVID-19 da Mayo Clinic.

Contato de mídia:

Rhoda Madson, Relações Institucionais da Mayo Clinic, newsbureau@mayo.edu