• By Sharon Theimer

Ponte regenerativa para transplante de um jovem pai

17 fevereiro 2022
Steven Graham e família

A Mayo Clinic é pioneira e está refinando procedimentos regenerativos que são uma ponte para o transplante. Estes procedimentos estão proporcionando novas opções para fortalecer e reconstruir a saúde enquanto os pacientes aguardam o presente da vida.

O transplante de órgãos é uma das cirurgias mais sérias e complexas, entretanto ela também pode restaurar consideravelmente a saúde e a qualidade de vida de um paciente. O Centro von Liebig para Transplantes e Regeneração Clínica da Mayo Clinic em pareceria com o Programa de Medicina Regenerativa Cardíaca Van Cleve da Mayo Clinic estão na linha de frente para promover o avanço de intervenções regenerativas de ponta que melhoram o sucesso do transplante de órgãos.

“Uma abordagem regenerativa que estamos utilizando é uma abordagem ambulatorial para posicionar o balão intra-aórtico que, juntamente com a medicação, pode ajudar na reabilitação e fortalecimento dos pacientes enquanto aguardam o transplante”, afirma Atta Behfar, M.D., Ph.D., cardiologista e diretor de transplantes cardíacos do Programa de Medicina Regenerativa Cardíaca Van Cleve da Mayo Clinic. “Descobrimos uma nova maneira de implantar este dispositivo para que seja mais fácil para os pacientes e tolerado por períodos mais longos de tempo. Algumas vezes, é necessário um período de tempo mais longo para desencadear a capacidade do corpo de se curar o suficiente para suportar o transplante de órgãos”. O Dr. Behfar também é vice-diretor de traduções do Centro de Medicina Regenerativa.

A história de Steven

Steven Graham, 34 anos, de Ames, Iowa, nasceu com o coração em sentido contrário, uma condição conhecida como transposição das grandes artérias. Quando bebê, ele foi operado para corrigir essa doença cardíaca congênita e superou as previsões de seus médicos segundo as quais ele provavelmente não sobreviveria depois dos 30 anos de idade.

Mas, após uma série de marca-passos ao longo dos anos, o coração de Steve estava parando de funcionar e ele precisou de um transplante. Para complicar a situação, o declínio do músculo cardíaco de Steven estava criando muita contrapressão e danificando seus pulmões.

Os médicos disseram que ele precisaria de um transplante de coração e pulmão. Então veio a difícil notícia de que eles não poderiam mais ajudá-lo.

Foi quando Steven veio até a Mayo Clinic.

“A pressão nos pulmões de Steve era alta porque o coração dele não trabalhava adequadamente. Estávamos preocupados pois, se a situação não fosse revertida, isso causaria a falência de um novo coração”, afirma Sudhir Kushwaha, M.D., cardiologista da área de transplantes cardíacos da Mayo Clinic. “Pensamos que poderíamos ser capazes de diminuir a pressão pulmonar para que ele precisasse somente de um transplante de órgão e evitar um transplante cardíaco e pulmonar muito mais complexo. Sem um transplante cardíaco, o prognóstico dele teria sido em meses.”

Uma abordagem regenerativa

A equipe de transplante da Mayo Clinic adotou uma abordagem regenerativa para cuidar de Steven quando os medicamentos orais padrão e intravenosos sozinhos não reduziram a pressão nos pulmões.

Eles implantaram o balão intra-aórtico por meio da artéria axilar que passa pela parte superior do tórax em um procedimento descoberto e validado pela pesquisa da Mayo Clinic. Essa abordagem minimamente invasiva pela pele (que é conhecida como abordagem percutânea) permite a inserção do balão pelo braço e descendo pela aorta, sob anestesia local. Este é um método desenvolvido no Programa de Medicina Regenerativa Cardíaca Van Cleve. Essa descoberta permite aos pacientes em condições semelhantes às de Steven que tenham flexibilidade para se levantar, caminhar e mesmo praticar exercícios físicos com o balão trabalhando no corpo.

A maneira tradicional de colocação do balão é através de uma artéria na perna, após a qual os pacientes devem permanecer acamados o tempo todo.

“Definitivamente, não gostaríamos que alguém esperando por um transplante ficasse acamado por muitas semanas. Se alguém for submetido a esta cirurgia como uma pessoa incapacitada ou que tenha ficado acamado, o tempo de reabilitação na UTI após o transplante pode ser bastante longo,” afirma o Dr. Behfar.

A vantagem de colocar o balão no braço é que os pacientes podem se beneficiar com o fato de tê-lo no lugar por semanas ou meses, em vez de apenas alguns dias. No caso de Steven, isso proporcionou tempo para o balão reverter as altas pressões em seus pulmões e também para que seu corpo se regenerasse e ficasse mais forte antes do transplante.

“Ao longo de muitas semanas, o balão e os medicamentos administrados fizeram com que as células que estavam reagindo de maneira anormal nas artérias pulmonares dele se comportassem de maneira mais normal. Os pulmões de Steve se regeneraram e as pressões começaram a diminuir. Conforme os pulmões dele foram normalizando, sabíamos que se um transplante de coração fosse oferecido, o novo coração poderia funcionar normalmente”, afirma o Dr. Behfar.

“Vou enfrentar tudo isso. E vai ser incrível”

Steven não só podia andar com o balão, como também podia se exercitar em seu quarto do hospital. Ele aproveitou a oportunidade de reunir forças para a cirurgia com o objetivo final de voltar para casa e para sua família.

“Eu andava 16 km em uma bicicleta ergométrica por dia. Eu disse: vou enfrentar tudo isso. Vou me fortalecer o bastante para o transplante e, então, volto para casa. E vai ser incrível. Eu disse para mim mesmo: estou quase na linha de chegada. Continue perseverando”, conta Steven.

E esforços dele valeram a pena. Após dois meses com o balão e a medicação, a pressão pulmonar dele diminuiu e ele foi qualificado para um transplante de coração. O tempo que passou na bicicleta ergométrica fortaleceu os músculos, e ele se recuperou tão rapidamente que teve alta do hospital duas semanas após o transplante.

Uma nova vida

Steven, sua esposa Randi Graham e a filhinha pequena deles, Ari, estão aproveitando um novo capítulo em suas vidas.

“Posso fazer praticamente tudo o que quiser agora. Caminhamos quase todas as noites. Agora, treino no elíptico”, diz Steven. “Fomos a dois casamentos recentemente e pudemos dançar todo o tempo que queríamos.”

“A vida mudou tanto agora”, diz Randi. “Ele pode levar a nossa filha para caminhadas no parque. Ele pode brincar com ela na cama. E tudo isso é lindo, somos profundamente gratos.”

Sempre um lutador, Steven anseia por uma vida longa e um futuro ativo que pode um dia incluir o treinamento das equipes esportivas juvenis de sua filha.

“Você não sobrevive a uma experiência próxima da morta como um bebê apenas para morrer aos 30 anos de idade”, diz Steven. “Quero estar por perto. Quero estar por aqui quando Ari estiver com 30 anos para poder presenciar a sua transformação.”

A equipe de transplante atribui o crédito pela rápida recuperação de Steven à intervenção regenerativa e à determinação dele.

###

Jornalistas: o vídeo com qualidade de transmissão em inglês está disponível aqui. Lembrem-se de incluir: Cortesia da “Rede de Notícias da Mayo Clinic”. Informações sobre os serviços internacionais da Mayo Clinic estão disponíveis aqui.

Sobre a Mayo Clinic

A Mayo Clinic é uma organização sem fins lucrativos comprometida com a inovação na prática clínica, educação e pesquisa, fornecendo compaixão, conhecimento e respostas para todos que precisam de cura. Visite a Rede de Notícias da Mayo Clinic para obter mais informações sobre a Mayo Clinic.

Contato de mídia:

Susan Buckles, Relações Institucionais da Mayo Clinic, newsbureau@mayo.edu